Conheça a trajetória campeã e inspiradora da professora Juliana Bezerra

0
4

Texto – Junior Samurai

A faixa-preta Juliana Bezerra recomenda de olhos fechados o nosso esporte para os pequenos em Cascavel. Por lá, ela sabe que o Jiu-Jitsu exerce também um papel essencial na absorção da confiança e também contra o bullying, assim como aconteceu com ela. “Eu era adolescente tinha 16 anos quando comecei a praticar Jiu-Jitsu, passei uma situação delicada onde tive a necessidade de aprender a defesa pessoal. Então comecei a treinar, a academia do meu professor ficava no último andar de um prédio antigo da cidade, meu primeiro professor quem me graduou da faixa branca até a preta foi Edival Farias, que foi aluno veterano do mestre Sá”, contou.

“Lembro perfeitamente a primeira lição que o Jiu-Jitsu me ensinou foi que não tem espaço pra vaidade no tatame, tem dias que você vai ganhar e tem dias que você vai perder”, completou Juliana, que anexou os benefícios que a arte suave trouxe para sua vida.

“Quando comecei a treinar Jiu-Jitsu e a competir eu estava com depressão, a arte suave com sua filosofia de vida me fez mais forte, me fez entender que a vida é como uma luta de Jiu-Jitsu, algumas vezes você vai estar por cima outras no chão, algumas vezes você vai sorrir a alegria de uma conquista no outro pode chorar a dor da derrota. As vezes vai poder ter um tempo para se recompor e voltar a lutar no outro dia e outras você vai estar sendo amassado e mesmo assim vai ter que dar um jeito de sair daquela situação ruim. O Jiu-Jitsu me ensinou o valor da amizade, o valor das coisas pequenas, de você proporcionar um momento de alegria pra outra pessoa”, relatou já mencionando seu inicio nas competições.

“Meu primeiro campeonato foi em 2007 aberto de Jiu Jitsu do litoral leste eu estava muito nervosa, com receio da minha adversária era ela de Fortaleza e tinha mais tempo de treino, mas tive sorte no início da luta consegui imobilizar no kesa gatame e finalizar em uma chave de braço”, lembrou.

“Sempre quis ser uma atleta de destaque no Jiu-Jitsu, principalmente até a faixa-roxa, guardo com carinho as medalhas, os certificados e troféu do Ranking Meiaguarda. Mas acredito que todos temos que ter um propósito e o meu propósito estava no projeto, eu já ganhei e já perdi campeonatos mas nada se compara a emoção de ver meus alunos lutar”, acrescentou.

A professora do projeto Social Arte Tatame sabe o controle que o Jiu-Jitsu tem sobre o assunto nos pequenos que sofreram e até praticavam bullying, e como isso ajuda a formar pessoas melhores na vida.

“A minha transição para começar a dar aulas foi já na faixa-azul, todo dia eu chegava mais cedo na academia pra limpar o dojo e auxiliar nas aulas infantis, até que meu professor me deu a oportunidade de puxar o treino infantil. Em 2013 ainda faixa-roxa, fundei o projeto social Arte no Tatame juntamente com meu irmão Vinicios Bezerra, Kathia Fernandes, Roger Wildner na época chamado de projeto Jiu-Jitsu na escola. Começamos com 05 alunos e hoje o projeto atende por ano cerca de 250 pessoas do mirim ao adulto”, contou.

“Estar a frente de um projeto como o PSAT é uma grande responsabilidade, nos trabalhamos com pessoas todos os dias de todas as idades de todas as classes sociais, cada um com sua história. Busco sempre que o aluno ao chegar no arte no tatame ele possa aprender Jiu-Jitsu e se sentir bem, em um ambiente agradável, onde ela possa aprender e se desafiar todos os dias”,

Com a felicidade de transformar vidas por meio do Jiu-Jitsu, Juliana mostra nas linhas abaixo o legado e uma lição para você incorporar na sua evolução no Jiu-Jitsu!

“O legado que quero deixar para os meus alunos é o arte suave, minha maior realização é ver eles continuando o nosso trabalho, disseminando o Jiu-Jitsu para as comunidades, mais pessoas podendo conhecer essa arte tão transformadora que é o bjj.”

“A lição que eu deixaria para os praticantes de Jiu Jitsu foi a maior lição que meu sensei me ensinou Lutadores lutam! Não importa a situação que você está passando, não importa as dores você sente, você tem sempre que lutar, lutar pelos seus objetivos , lutar por quem você quer ser.”

“Agradeço ao Ranking Meiaguarda que sempre acreditou no meu trabalho como atleta e como professora. Agradeço a prefeitura Municipal de Cascavel através da secretaria de educação cultura e desporto na pessoa do João Paulo secretário de esporte, ao prefeito Tiago Ribeiro que sempre tem apoiado é acreditado no projeto Arte de Tatame e no esporte como um todo em Cascavel. Ao projeto Vão Vive na arte suave do professor Eduardo Santos que doa kimonos ao projeto desde 2013. A todos os professores e amigos que doam kimonos para os nossos atletas”.

Projeto Social Arte no Tatame
Endereço – Casa de Cultura de Cascavel – Avenida Chanceler Edson Queiroz nº 605
Bairro Rio Novo – Cascavel

Contato – 85 8647-0436

LEAVE A REPLY

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.